03 de Novembro de 2017 - 12h:39

Tamanho do texto A - A+

Credores aprovam plano

Por Silvana Bazani do Jornal A Gazeta

 

 maioria dos credores do Grupo Trescinco aprovou o plano de recuperação judicial na assembleia geral realizada nesta quinta-feira (17). Dos 431 dos credores, 95,7% concordaram com as condições de pagamento da dívida, que totaliza R$ 55,748 milhões. As discordâncias foram manifestadas pelos bancos do Brasil, Mercantil e HSBC, aos quais o Grupo deve o montante de R$ 9 milhões.

 

Segundo o advogado Euclides Ribeiro Junior, responsável pela condução do plano de recuperação da Trescinco - que inclui as empresas Trescinco Distribuidora de Automóveis Ltda e Trescinco Veículos Pesados Ltda - esses 3 bancos e que integram a relação dos credores quirografários continuam a executar os avalistas, apesar da suspensão das dívidas. “Como o plano foi aprovado pela maioria, a eles os pagamentos poderão ser feitos daqui a 60 meses”.

 

 

Com a decisão em assembleia geral, as condições do plano de recuperação passam a ser cumpridas imediatamente, completa o especialista em Recuperação Judicial. “Tem praticamente 3 classes de credores.

 

Os que ajudam com o crédito, os credores especiais, que continuam a garantir crédito e fomentar a empresa, receberão em até 60 meses. Já os trabalhadores receberão o saldo devedor em 12 meses. E as pequenas e médias empresas (os fornecedores) em 18 parcelas”, explica o advogado.

 

Do montante total da dívida, R$ 45 milhões são devidos a 148 credores quirografários, sendo a maioria bancos. Neste segmento, os maiores valores devem ser repassados ao Banco de Bens (R$ 21 milhões), Banco Volkswagen (R$ 6,8 milhões), Banco Safra (R$ 2,7 milhões) e Banco Santander (R$ 1,4 milhão). Ao Banco do Brasil, o Grupo deve R$ 6 milhões. “Os credores com garantia real, como o Banco Volkswagen e Sicredi, concordaram em dar mais crédito ao Grupo”. Aos credores trabalhistas, que agregam 260 empregados, são devidos R$ 1 milhão.

 

HISTÓRICO - A recuperação judicial da Trescinco foi deferida no dia 30 de janeiro de 2015, com dívida declarada de R$ 58,8 milhões. A assembleia geral dos credores foi iniciada no dia 18 de novembro de 2015, mas não foi concluída.

Com o aval da Justiça, decidiu-se que teria continuidade em janeiro deste ano, no dia 22. Como novos prazos foram solicitados pelas empresas, a assembleia foi reagendada para o dia 19 de abril. Contudo, a Justiça de Mato Grosso se posicionou contrária às postergações, culminando com a aprovação do Plano de Recuperação Judicial nesta quinta-feira (17).

VOLTAR IMPRIMIR